Tribuna do Interior

Tocantins, Segunda-feira, 01 de junho de 2020.
31/03/2017 - 17h03m

Irajá questiona afirmação de Meirelles de que aposentadoria no Brasil é "generosa"

Do Portal CT e Ascom deputado 
Divulgação Ascom

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, esteve nesta quinta-feira, 30, na Câmara para defender a Reforma da Previdência (PEC 287 de 2016) na comissão especial criada para debater o tema, onde defendeu que a aposentadoria no Brasil é "generosa" em comparação a outros países. Presente na audiência, o deputado tocantinense Irajá Abreu (PSD) questionou o discurso do representante do governo.

Foto: Divulgação/Ascom
Irajá Abreu: "Temos que pensar com amplitude e analisar uma reforma no contexto geral e não só penalizar o trabalhador"

Irajá Abreu argumentou não ser questão de "generosidade" e sim de "respeito e direitos conquistados". "Esse texto da maneira que está sendo apresentado pelo governo, não respeita o cidadão brasileiro, o trabalho e a contribuição de anos de serviços prestados. Temos que pensar com amplitude e analisar uma reforma no contexto geral e não só penalizar o trabalhador", afirmou o tocantinense.

Apesar das críticas ao texto proposto pelo governo do presidente Michel Temer, o deputado federal Irajá Abreu afirmou que o Brasil "precisa sim" realizar uma reforma na previdência, mas cobra que esta discussão seja feita "com números claros, com respeito e dignidade ao cidadão brasileiro".

Fazenda
Meirelles afirmou que os gastos com Previdência no Brasil são comparáveis aos da Alemanha e da França, mas a população idosa seria bem menor aqui: "A média das aposentadorias é 76% do valor do salário das pessoas que não se aposentaram. Se nós compararmos aqui com a maior parte dos países, a média é 56% versus 76% no Brasil. Tem um país só da Europa que tem uma média maior que o Brasil, que é Luxemburgo, que é um país pequeno, uma cidade, centro financeiro, muito rico", comentou.

O ministro também disse que o benefício assistencial brasileiro, o chamado BPC, corresponde a 33% da renda média do brasileiro, enquanto na Alemanha é 12% e, nos Estados Unidos, 16%. Também a média de idade da aposentadoria do homem no Brasil seria de 59 anos e meio, enquanto nos países desenvolvidos a média seria de 64 anos. 
- Com informações da assesoria e da Câmara dos Deputados.

© 2015 - Tribuna do Interior - Todos os direitos reservados.
Expediente