Tribuna do Interior

Tocantins, Quinta-feira, 06 de agosto de 2020.
02/01/2020 - 16h52m

Moradores de Combinado e Lavandeira pedem socorro e acusam usina do Rio Mosquito por agua suja

Da Redação 
Foto: Geralda Barbosa
Rio com alto indice de poluição prejudica turistas e empreendedores com baixo movimento.
Rio com alto indice de poluição prejudica turistas e empreendedores com baixo movimento.
  • Rio Palmas com agua limpida e cristalina, quando o movimento estava em alta
  • Alunos do Colegio Estadual Lavandeira, em aula ambiengtal

Um crime  ambiental e contra a saúde pública, tem prejudicado de diversas maneiras nos ultimos dois meses aos moradores das cidades de Combinado e Lavandeira. Com aguas barrenta e mau cheiro. Além disso, a situação atinge também os pequenos empresários do setor de turismo e centenas de moradores ribeirinhas que depende do rio para o consumo humano domestico e os animais.

Um pequeno empreendedor da localidade, que montou uma estrutura turística na beira do rio, na cidade de Lavandeira, reclama dos governos estaduais de Goiás e do Tocantins, que nada fazem para proteger o rio, já que o papel de fiscalização ambiental é do Estado, em especial do IBAMA por se tratar de um rio interestadual, já que o Rio Mosquito que nasce em Goiás tem uma Pequenas Centrais Hidroeletrica (PCH).

Procurado por moradores sobre qual as providencias estavam sendo tomadas, o diretor executivo do Consórcio Intermunicipal de desenvolvimento Sustentável Rodrigues di Sousa disse que a unica coisa que poderia fazer era denunciar aos orgãos ambientais, o que foi feiro ainda no inicio de novembro, quando dectou que o problema não era por causa das chuvas, que ainda não suficiente para sujar da forma como estava.

Ele afirmou ainda que além do CIDS Vale do Rio Palmas, as prefeituras de Combinado e lavandeira também enviaram oficios pedindo providencias ao Naturatins, que esteve no empreendimento da usina e notificou a empresa, mas transferiu para o IBAMA a respeonsabilidade para autuar a empresa, devedo a mesma está em outrea unidade da federaçao.

A responsabilidade deste desastre ambiental é da empresa goiana e da fiscalização é da agencia ambiental de goiás e do IBAMA, que deverá acionar judicialmente pelo crime ambiental os empresários, que fazem de tudo para ganhar dinheiro sem se importar com os danos ambientais e sociais.

O empresário turistico Renato acusa os novos donos de uma pequena usina hidrelétrica no Rio Mosquito em Campos Belos de Goiás, pela situação caotica com que o Rio Palmas que recebe o Rio Mosquito a 10 km a cima vem causando. Ele que é proprietário do pequeno balneário Recanto das Aguas disse que investiu muito em infraestrutura, com novos banheiros, cozinha ampliada, kiosques e muitas outras inovações para bem receber os turistas, vem tomando prejuizos incalculavéis pelo baixo volume de turistas.

Já Elenilton Menezes, inquilino do balneário Beira Rio também alega prejuizos com a agua suja do rio. Isso tem afastado as pessoas e os prejuízos são diários e incalculáveis, avaliando que o publico caiu cerca de 90% em relação ao mesmo periodo do ano passado. Tive que dispensar funcionarios, porque a agua suja tira os turistas para outros pontos turistico da região.

© 2015 - Tribuna do Interior - Todos os direitos reservados.
Expediente