Tribuna do Interior

Tocantins, Terça-feira, 26 de outubro de 2021.
16/09/2015 - 12h35m

Sindicato afirma que mesmo com decisão judicial, prefeito de Campos Belos nega-se a pagar reajuste

Do Blog Dinomar Miranda 
Foto: Blog Dinomar MIranda
Reunião do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindbelo), o prefeito de Campos Belos,
Reunião do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindbelo), o prefeito de Campos Belos,

A novela do reajuste do professores de Campos Belos, nordeste de Goiás, teve mais um capítulo. Para o Sindicato dos Servidores Municipais (Sindibelo), o prefeito de Campos Belos, Aurolino Santos Ninha, mentiu para os professores e para a comunidade.
Um texto bem indignado foi publicado no site da organização na internet, nesta segunda-feira (14). "O prefeito falta com a verdade e não pratica o que fala. ? corriqueiro ouvirmos ele afirmar, inclusive numa rádio local, que só precisa de decisão judicial para pagar os professores. E esta decisão aconteceu", afirma a nota do Sindibelo.
De acordo com a entidade, juiz que responde pela comarca determinou que a prefeitura municipal concedesse o acesso de letras (progressão horizontal), uma exigência da categoria durante a greve. 
O Sindibelo afirma que os professores do município têm o direito, conforme determina o plano de carreira da categoria, lei municipal nº 1.048/10. Mas o prefeito Santos Ninha teria contestado a decisão da justiça.
"Em trechos desta contestação, a prefeitura, por meio de seu procurador, alega que se tiver que cumprir com esta determinação terá que tomar algumas medidas, tais como: fechamento de escolas e creches, bem como, demissão de professores concursados.
Prefeito, você tanto falou que só precisava de decisão judicial para pagar os professores, e agora o que tem a dizer?", pergunta a nota do Sindicato. A nota da entidade é dura e fala até em demissão de servidor concursado. "Se tiver alunos, prefeito, você não vai fechar nem escolas, tampouco, creche.
Outra coisa, pra você demitir servidor concursado será preciso que prove que não tem como pagar, mas isso não é problema. O dinheiro tem, o próprio prefeito reconhece isso. Então, isso é "conversa fiada".
Mesmo que o dinheiro não dê, é só fazer solicitação junto ao MEC, que o Ministério da Educação vem até Campos Belos pra certificar se o problema é realmente falta de dinheiro, e se for o governo federal complementa", finaliza o texto.

© 2015 - Tribuna do Interior - Todos os direitos reservados.
Expediente