Tribuna do Interior

Tocantins, Sábado, 28 de maio de 2022.
06/05/2022 - 17h54m

Força da economia criativa é evidenciada durante o Salão do Artesanato de Brasília Caixa de entrada Agência do Desenvolvimento Turístico Cultur

Seleucia Fontes/Governo do Tocantins 
Foto: Seleucia Fontes / Governo do Tocantins
Nos dois dias de feira, o estande do Tocantins comercializou mais de mil peças
Nos dois dias de feira, o estande do Tocantins comercializou mais de mil peças
  • Ao lado do secretário Hercy Filho, a artesã Elisângela comemora retorno da Xambiart ao Salão do Artesanato
  • Eliene Bispo comemora a participação da Associação Dianopolina no evento
  • Gustavo Krahô lembra a importância cultural e econômica do artesanato nas comunidades indígenas

As biojoias do projeto Xambiart já conquistaram o Brasil e estiveram presentes até mesmo em novelas, mas com a pandemia de Covid-19 as artesãs perderam muitos clientes. "Me inscrevi individualmente, mas trago a produção das artesãs comigo", revela Elisângela Ribeiro Amâncio, de Xambioá, uma das expositoras do 15º Salão do Artesanato - Raízes do Brasil, com biojoias confeccionadas em madeira, semente e fibra.

O evento não é apenas um meio de comercialização direta, como também  cartão de visitas para conquistar clientes para encomendas posteriores. "O estande recebe revendedores dos grandes centros, que compram os produtos trazidos ao Salão para revenda, e podem se tornar clientes fixos", comemora o superintendente de Cultura do Estado, Relmivam Milhomem.

Somente nos dois primeiros dias de feira foram comercializadas no local 1.004 peças e encomendadas outras 378, gerando quase R$ 50 mil reais em vendas.

O retorno para a comunidade não é apenas financeiro, como também de cidadania, como atesta Eliene Bispo, presidente da Associação Dianopolina de Artesãos, que trabalha com o capim dourado. Já Gustavo Krahô, presidente do Centro Cultural Kájre, lembra que as biojoias e cofos (cestaria) têm as mulheres como principais produtoras das peças que revelam um pouco do modo de vida indígena, além de ser  importante fonte de renda. As etnias Karajá e Xerente também estão representadas no estande do Tocantins.
 
Realizado com recurso federal, por meio do PAB, da Subsecretaria de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato, da Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, o Salão abre espaço para a participação de todos os estados. O Tocantins selecionou os participantes por meio de chamada pública e garantiu o transporte dos artesãos e seus produtos a Brasília.

© 2015 - Tribuna do Interior - Todos os direitos reservados.
Expediente